Segunda-feira, 16 de Abril de 2007

Sentenças




A propósito de toda a polémica que envolve o primeiro-ministro Sócrates e a Universidade Independente, cabe proferir algumas palavras.

Em primeiro lugar, esta situação, que não é nova no ensino superior em Portugal, vem levantar mais questões do que aquelas que a comunicação social e o público em geral têm suscitado.
Assim, é colocada em causa a credibilidade do ensino superior privado em Portugal. E isso preocupa-me muito mais do que tudo o resto. Preocupa-me que, todos os anos, centenas de pessoas possam comprar canudos e apresentá-los em entrevistas de emprego, em que são preferidos a pessoas com o 9º incompleto tão bem ou até mais capazes do que aqueles, mas que não tiveram a possibilidade de comprar uma licenciatura. Ou conhecer as pessoas para isso.

Da minha parte, parece-me que se trata de mais uma forma de se deitar abaixo a imagem e credibilidade de um bom político. E, infelizmente, está a ser conseguido. Trata-se da mesquinhez e desconfiança do povo português, bem como o aproveitamento da oposição para colocar em causa a posição de Sócrates no panorama político nacional.
Pouco importa se houve favorecimento a José Sócrates há vários anos atrás, aquando da sua licenciatura. Como podemos nós saber se será verdade esse favorecimento? Afasto argumentos, quer de um lado, quer de outro. Recuso a apresentação de papéis verdadeiros, de papéis falsos ou de papéis forjados. Não acredito que seja culpado do que quer que seja, tal como não acredito na sua inocência.
Muito menos importa se Sócrates é Engenheiro Civil, licenciado em Engenharia ou tem bacharelato em Engenharia do Ambiente. Pensemos bem para nós próprios: Quantos de nós, há 2 anos atrás, procurámos os curriculum vitae dos candidatos para depois decidirmos? Quantos dos milhões de pessoas que assistiram à Entrevista de Sócrates sabiam, há 2 anos atrás, que Sócrates tinha frequentado a Universidade Independente?

É-me perfeitamente irrelevante se Sócrates foi favorecido, se gostou de ser favorecido ou se aproveitou algum favorecimento. Pouco interessa se foi um contrabandista na vida passada.
Agora, Sócrates é Primeiro-Ministro e, para isso, não é preciso curso. É preciso competência, pro-actividade, capacidade de liderança, e inteligência. É preciso estar livre de toda a polémica e continuar a trabalhar com serenidade.
É preciso um Primeiro-Ministro independente . E Sócrates consegue sê-lo.
publicado por Fábio Raposo às 14:46
link do post | comentar

Sobre nós

Benvindo ao Blog do Núcleo de Estudantes Socialistas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, local de discussão política e fraterna, à esquerda da indiferença, mas sempre no centro da participação.

Site Oficial do NES/FDL

Site Oficial da JS

Site da FDL

Contribuidores

arquivos

Setembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

participar

participe neste blog

blogs SAPO

subscrever feeds