Segunda-feira, 22 de Outubro de 2007

Sentenças




O CDS-PP defendeu ontem a ideia de que deve haver uma responsabilização dos pais dos alunos que faltam muito às aulas.

À primeira vista a ideia não merece qualquer constestação. Aliás, é normal que quando os filhos faltem às aulas os pais sejam os responsáveis e respondam pelos actos daqueles.

A medida dos populares desvia-se do tradicional pelo facto de essa responsabilização derivar de um contrato assinado entre pais e escolas, em que aqueles ficam obrigados a que os filhos não faltem às aulas, sob pena de incorrerem em sanções pecuniárias.

Quase me faltam as palavras, de tão estúpida que soa a ideia. A desculpa de que é uma medida praticada noutros países não me convence. É claro que qualquer ideia, qualquer medida, qualquer proposta já foi alguma vez tentada ou praticada em algum lugar, em determinado espaço de tempo. E isso é fundamento para a praticarmos nós?

A escola e os pais celebram contrato. Os pais ficam obrigados a que os filhos não faltem. Os filhos faltam... E os pais pagam.

Não consigo conceber a utilidade da proposta por vários motivos.
Em primeiro lugar, vai levar a que os filhos sejam obrigados a ir às aulas não por motivações didáticas, disciplinares ou comportamentais, mas apenas porque os pais não querem pagar se aqueles faltarem.
Tantas preocupações com os meninos da escola e, afinal, era isso que faltava ensinarmos às crianças de Portugal: "Joãozinho, não me importo que puxes os cabelos à tua irmã ou que atires aviõezinhos nas aulas, o que interessa é que estejas lá dentro!".


A própria ideia de responsabilização já é praticada. Quando os filhos se portam de forma desviante (incluindo o faltar às aulas), os pais são chamados à escola, onde ficam a par desses comportamentos. Hoje em dia, sempre que um aluno falta é enviado para a morada de residência uma carta a indicar que o aluno faltou.

E aí os pais, por serem pais, saberão como proceder nessas circunstâncias. Acredito que não é necessário que venha a senhora do Conselho Directivo com um papel debaixo do braço e uma mão estendida indicar como se deve educar os filhos dos outros.


Existe ainda uma outra vertente, que é a questão de haver filhos que escapam da tutela dos pais. Os pais esforçam-se, educam-nos, criam-lhes condições de aprendizagem, mas os filhos não querem saber dos estudos.

Os pais deixam-nos à porta da escola e vão buscá-los quando saiem.
Mas no final do mês, quando receberem a factura para pagar, vão ter de vender o automóvel porque o filho é um baldas.

E aí é que são elas. Porque, a partir desse momento, o Joãozinho passa a ir a pé para a escola.
publicado por Fábio Raposo às 23:34
link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Sobre nós

Benvindo ao Blog do Núcleo de Estudantes Socialistas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, local de discussão política e fraterna, à esquerda da indiferença, mas sempre no centro da participação.

Site Oficial do NES/FDL

Site Oficial da JS

Site da FDL

Contribuidores

PS TV

arquivos

Setembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

participar

participe neste blog

blogs SAPO

subscrever feeds