Domingo, 16 de Julho de 2006

Desconforto?

Como estão a sentir-se as bases?
DN
publicado por NES-FDL às 12:16
link do post | comentar
1 comentário:
De PedroSilveira a 17 de Julho de 2006 às 21:33
O próximo Congresso do PS, dado como certo a intocabilidade da liderança, ode ser no entanto mais agitado em termos politicos do que se espera. Isto porque mais que nunca está colocada em causa uma das coisas que sempre defendi: a separação da função de Primeiro-Ministro da de Secretário geral do partido.

No fundo percebo a questão: daria uma quezília complicada e de muito má imagem para o partido e de enorme prejuízo para o país se um Primeiro-Ministro se visse algo desapoiado pelo seu partido por um Secretario geral seguir uma agenda própria e não fazer um "apoio cego" ao Governo. No entanto, como em tudo em política, necessita-se de bom senso e de responsabilidade institucional. Isso bastaria para evitar a situação extrema que descrevi.

É que vejamos a situação em termos práticos: alguém imagina o tempo que restará ao Primeiro-Ministro entre a gestão do país, a União Europeia e as visitas institucionais, os debates parlamentares, etc? Que tempo para o partido? Nenhum! É que estar à frente de uma máquina partidária como é o PS não é fácil e mesmo que Sócrates se rodeie das pessoas necessárias e de sua confiança para acalmar o aparelho a verdade é que, pouco a pouco, as estruturas locais, os militantes de base afastam-se de um partido que, acomodado ao poder, ao colo do Governo, vai vivendo da defesa de um Governo que por vezes nem segue a sua linha ideológico-doutrinária.

Agora em termos políticos: será saudável ver o Primeiro-Ministro de Portugal em campanha para o Congresso do PS? Ou a visitar a Federação do Algarve ou a Secção de Freixo de Espada à Cinta? Penso que não. Não por desconfiar que José Sócrates não sabe diferenciar perfeitamente as duas funções, mas por não achar correcto que isso aconteça e, principalmente, por isso não ter necessariamente de acontecer.

Depois temos de relembrar que até há bem pouco tempo Jorge Coelho presidia a uma espécie de órgão controlador do aparelho do PS e que, demitindo-se, José Sócrates chamou a si essa função. Há quem especule sobre tudo isto ter ligações com a candidatura de Coelho em Sintra, onde tinha a derrota garantida e a descredibilização à porta. O problema é que Sócrates ao fazê-lo, se realmente foi sua intenção, conseguiu afastar o problema de eventuais assaltos de poder mas trouxe com isso um grande problema, que é o de não ter ninguém que consiga contactar tão bem com o aparelho do PS, sendo que ele, pelas razões apontadas o não consegue fazer enquanto Primeiro-Ministro.

Esta é uma situação delicada e que gostaria de ver debatida em Congresso. Independentemente de voltar a ser eleito delegado ao Congresso do PS, espero que de lá saia mais que um grito uníssono ao Governo, uma reflexão interna que só beneficiará Portugal.

Comentar post

Sobre nós

Benvindo ao Blog do Núcleo de Estudantes Socialistas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, local de discussão política e fraterna, à esquerda da indiferença, mas sempre no centro da participação.

Site Oficial do NES/FDL

Site Oficial da JS

Site da FDL

Contribuidores

arquivos

Setembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

participar

participe neste blog

blogs SAPO

subscrever feeds