Terça-feira, 6 de Março de 2007

Sentenças




Ao visitar hoje o site do correio da manhã, chamou-me a atenção uma sondagem que dizia que 58% das 725 pessoas inquiridas se sentem inseguras, sendo na rua onde existe essa maior insegurança.
A notícia não me surpreendeu. Nem podia tê-lo feito.
Considero a segurança uma das áreas mais importantes das políticas nacional e municipal. Só com as bases de eficazes forças de segurança, se podem atingir outros patamares. Senão vejamos. Sem segurança, podem estar ameaçados a educação, os transportes, a cultura e o lazer, o turismo (não obstante um recente e duvidoso estudo do instituto Gallup), entre outros. Sem segurança é a própria liberdade que está em causa.
Assim, vi com espanto a notícia de que o Governo pretendia encerrar, por todo o país, algumas esquadras que tinham poucos efectivos. Apesar de toda a obscuridade sobre este pensamento, parece que, afinal, a ideia era reestruturar as forças de segurança nacionais. Perfeito, bem que a mudança é vital.
Quanto a mim, a reestruturação teria de ser prática, e não apenas teórica, como parece acontecer. Quantos PSPs e GNRs estão na rua, e quantos estão nos escritórios? O lugar dos polícias é na rua, nem que seja a passear. A sua presença afasta possíveis comportamentos ilícitos. Porque é que se hão-de fazer dezenas de operações stop todas as sexta-feira, quando nessa mesma hora estão jovens a ser assaltados no metro? Porque é que se hão-de procurar incessantemente carros para multar, quando no beco por trás desses carros está um Homem a ser esfaqueado depois de voltar do trabalho? A reestruturação teria de ser de mentalidade, de comportamento, de atitude. Tão só. Se assim fosse, perfeito.
Contudo, voltei a ficar alarmado quando ouvi Marcelo Rebelo de Sousa a aplaudir a ideia das superesquadras. As superesquadras são uma ideia de um antigo Governo de centro-direita, o mesmo centro-direita das violentas cargas sobre estudantes, sobre trabalhadores e sobre os utentes da Ponte 25 de Abril. O que está subjacente à ideia destas esquadras é a sua localização, em zonas estratégicas, nomeadamente, nos bairros mais problemáticos. Não parece mau. Mas, para isso, tem de se reduzir o policiamento em outras zonas do país. E se existem dezenas de zonas problemáticas em Portugal, existem centenas de outras zonas que ficam com menos policiamento. E se o crime diminui com a presença dessas superesquadras, os criminosos aparecem noutra zona, a alguns kilómetros. Claro que para isso também existe solução: pegar na superesquadra às costas e mudá-la de sítio.
publicado por Fábio Raposo às 13:28
link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Sobre nós

Benvindo ao Blog do Núcleo de Estudantes Socialistas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, local de discussão política e fraterna, à esquerda da indiferença, mas sempre no centro da participação.

Site Oficial do NES/FDL

Site Oficial da JS

Site da FDL

Contribuidores

PS TV

JS TV

Últimas PS

Jovem Socialista

Carregue na imagem para ver o Jovem Socialista número 468

Órgão Nacional de Comunicação da JS

Jornais

Ficha de Militante da JS

Carregue na imagem para sacar a Ficha de Militante da Juventude Socialista

Junte-se ao NES/FDL!

Ficha de Militante do PS

Carregue na imagem para sacar a Ficha de Militante do Partido Socialista

Junte-se ao PS!

arquivos

Setembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

participar

participe neste blog

blogs SAPO

subscrever feeds