Terça-feira, 20 de Novembro de 2007

Tertúlia Virtual


Desafios


A história da educação é muito curiosa. Não é que vá dissertar longamente sobre ela, só que é dos poucos sectores que teve mudanças sucessivas ao longo dos tempos, algumas vezes essas mudanças souberam ser evolução, mas de outras ou se caiu em saco roto ou se regrediu.
Tudo começa com a boa tradição oral. Antes de haver escrita, é mais que natural que assim fosse. Os conhecimentos a transmitir eram de cariz prático, não havia mais que saber. Quando "aparece" a escrita, entra-se na verdadeira História. Começam a relatar-se os factos relevantes, desenvolvem-se as formas de comunicação. Aqui há todo um interesse novo, e alguém teria que se apropriar dele...tocou à igreja. Não é raro vermos os colégios católicos à frente nos rankings dos exames de acesso à faculdade. A tradição, como em quase tudo, aqui, conta muito. Os pedagogos, por excelência, são os Jesuítas e está tudo dito.
Com o advento da república há uma aposta forte no ensino, um ensino público. Depois, tudo não passa da espuma dos dias. Reformas, reformas, reformas...
Hoje, estamos perante mais uma. Bolonha, RJIES...
Cabe-nos, que somos juristas em formação, pugnar pela devida interpretação das leis que sirvam de bases a estas reformas. Há que procurar caminhos para minorar injustiças. Há que defender a "nossa dama" contra entendimentos desfavoráveis à nossa posição.
Recordo-me de, na reunião, levada a cabo na Covilhã, o Ministro Mariano Gago dar uma lição de política a todos os presentes que se preparavam para o confrontar com as polémicas, com os temas quentes de bolonha.
Aos que passam por tudo, aos que, como nós, vivem a reacção à produção de uma lei, nós que passamos por elas, é altura de virar as palavras a nosso favor. Não falo de grandes diplomas, falo de tudo, do RJIES até ao regulamento de avaliação de qualquer estabelecimento de ensino superior.
A última palavra tem que ser nossa.

Duarte Cadete

publicado por NES-FDL às 19:35
link do post | comentar
4 comentários:
De João Correia a 30 de Novembro de 2007 às 11:17
Pensar o Ensino em Portugal, implica uma pesquisa história que se não pode nunca descurar. Não a farei aqui; não quero ser exaustivo pelo que apenas farei menção a alguns pontos que considero essenciais.
Há alturas em que sou obrigado a concordar com Vasco Pulido Valente. Nunca os Portugueses seguiram as suas ideias. A tentativa foi sempre copiar, adaptar, transcrever leis, estilos e atitudes. Eça descreveu esse Portugal n'Os Maias, no célebre episódio da Corrida de Cavalos. Muito recentemente, foi aprovado o novo Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES). A época de contributos para esta lei já há muito que terminaram. Já foi aprovada pela nossa maioria parlamentar.
O RJIES traz muitas boas novidades; tem aspectos curiosos; instala em militantes de esquerda algumas preocupações. Eu critico aqui apenas uma coisa: O RJIES é a tentativa de adaptar o Sistema de Universitário do Sul da Europa, tradicionalmente Humanístico, nos exemplos das Universidades Nórdicas e Anglo-Saxónicas. Não contesto a necessidade dessa mudança. Contesto sim é o porquê de não ser uma mudança alicerçada na realidade social, ECONÓMICA (e todos sabem que o mal das Universidades é a falta de dinheiro), cultural...
Desfocar-se da realidade redunda em mais atraso. Temos de ser contra a resistência à mudança; mas devemos pensar a mudança sem andar a olhar para o vizinho do lado.
De Fábio Raposo a 27 de Novembro de 2007 às 00:05
Caros Duarte e eternamentelu,

Concordo com vocês e talvez a juventude viva as reformas com base na "reacção" e não tanto na "acção", que são coisas distintas.
Mas esse é um mal que não é só da juventude.

A falta de capacidade de dialogar sincera e frontalmente é algo que afecta os portugueses em todas as vertentes. E se discutir e debater é mais do que dialogar...

Caro João Gomes,

Tenho de concordar contigo também. Bolonha foi, e é, uma excelente iniciativa.
A sua ideia assenta em pressupostos modernos e actuais, sempre no sentido de uma Europa mais Europeia e menos nacionalizada e nacionalista. Mais evoluída, enfim.

Infelizmente, o caso que temos mais próximo de estudar é o da nossa Faculdade. E aí bolonha parece um pesadelo. Não por o ser em si, mas porque quem de direito a torna.

Abraço
De João Gomes a 24 de Novembro de 2007 às 23:53
Duarte,

Já alguém dizia que a Universidade nasceu em Bolonha e morre com Bolonha - mas é mentira.

O que acontece na nossa FDL é uma má aplicação de Bolonha, que eu muitas vezes, noutros espaços, denominei como "contornar bolonha". Falo dos ECTS que foram distribuídos uniformemente por todas as cadeiras sem lógica nenhuma, falo da redução do curso a quatros que basicamente se limitou a empacotar em quatro o que já existia em cinco, falo de um regulamento de avaliação onde continua a não existir anonimáto nos exames e onde não se combate a discricionariedade das orais e muitas outras coisas que nos levam a uma única conclusão: Bolonha apareceu na FDL para ficar tudo na mesma.

Infelizmente é a faculdade que temos e parece que ninguém se importa com isto - "o povo é sereno".
De eternamentelu a 23 de Novembro de 2007 às 18:00
O problema é inclusiva e principalmente a juventude viver todas as reformas elaboradas por sucessivos governos com base na mera «reacção». Num país ideal esse exercício de cidadania (de discussão das leis que nos afectam) é feito a priori e num país ideal para que não haja contestação e «injustiças» existe envolvimento das classes afectadas pela lei, discussão, debate, concertação. Quando se trata de Educação tudo isto redobra a importância porque se tratam de matérias transgeracionais. Num país ideal tem-se tudo isto em conta mas definitivamente Portugal nao é um país ideal

Comentar post

Sobre nós

Benvindo ao Blog do Núcleo de Estudantes Socialistas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, local de discussão política e fraterna, à esquerda da indiferença, mas sempre no centro da participação.

Site Oficial do NES/FDL

Site Oficial da JS

Site da FDL

Contribuidores

arquivos

Setembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

participar

participe neste blog

blogs SAPO

subscrever feeds