Segunda-feira, 28 de Maio de 2007

Sentenças



Odeio rotina e tento evitá-la ao máximo. Dentro do possível, levo uma vida de improviso. No entanto, há situações que me são comuns quase todos os dias...

Acordo cedo, vou de metro para a Faculdade. Um senhor invisual e sem um braço pede caridade. Sem querer, dá um encontrão em alguém que lhe responde mal. Engulo em seco. Se tiver uma moeda, coloco-a no copo do pedinte.

Chegado ao destino, os professores continuam de nariz ao tecto. Os meus colegas queixam-se de que é necessário pagar as propinas para fazerem exames e não sabem onde vão orientar o dinheiro. Anuio. Nem são pessoas pobres, por isso estranho. Talvez sejam as propinas que são altas de mais. Recordo alguns amigos da Margem Sul que deixaram a escola por não terem condições para estudar. "Ninguém ficará sem estudar por razões económicas", dizia-se há 4 ou 5 anos, quando o valor das propinas disparou. Mentiroso.

Depois de almoço passo pelo Pingo Doce. Procuro comida para matar a fome no trabalho. À entrada existe um idoso de boné para trás e cabeça baixa. Não lhe consigo ver o rosto, mas a imobilidade da sua mão estendida deixa-me entorpecido.

Entro no trabalho. Ao fundo ouço um colega a falar alto com o responsável: "Você não pode fazer isso, não vem no contrato! Vou ao Tribunal do Trabalho!".

Habituado, sento-me a atender telefonemas.
- Primeira chamada "Eu preciso trabalhar! Activem-me o cartão imediatamente porque estão a causar prejuízo à minha empresa!" respondem-me quando informo que não consegue fazer chamadas por ter uma factura por liquidar.
- Chamada(s) seguinte(s): "Veja porque tenho esse saldo"; "Não fiz tantas chamadas"; "Paguei o serviço e não o consigo utilizar"; "Preciso só de 50 centimos no cartão para fazer uma chamada porque a minha bebé está doente. Por favor!"

Não são todas assim, mas fico com pena dessas pessoas. Ajudo no máximo que puder, mas estou ali para ajudar a empresa. Sentimentalismos colocam-me no desemprego.

Quando volto para casa de comboio há alguém que perdeu o bilhete. Custa 1,30e mas terá de pagar uma multa de 50e. Os fiscalizadores não acreditam na desculpa. O diálogo é impossível. "O auto chegará à sua morada", avisam indiferentes. Fecho os punhos.

Após o comboio, conduzo alguns kms da estação para casa. Fico sem gasolina a meio do caminho. Encosto o carro à berma e profiro um grito asneirento. Prossigo a pé, chego a casa e durmo sem jantar. Andar 3kms à 1h da manhã faz perder a fome.

Este é apenas um dia, como existem muitos outros. E ser de esquerda não é um estatuto nem uma condição. Ser de Esquerda é ter vivido dias destes durante 21 anos. Ser de Esquerda é parte daquilo que sou.
publicado por Fábio Raposo às 23:17
link do post | comentar
3 comentários:
De PedroSilveira a 29 de Maio de 2007 às 22:48
Há três condições para se hoje em dia se fazer a diferença pela positiva na política: trabalho, inteligência e paixão.

Das primeiras duas quem te conhece minimamente sabe que não faltam, da segunda basta este texto.

Um abraço.
De Лев Давидович a 29 de Maio de 2007 às 22:32
Muito bem.
De RICARDO PITA a 29 de Maio de 2007 às 22:25
Grande texto!!um dos melhores deste blog

Comentar post

Sobre nós

Benvindo ao Blog do Núcleo de Estudantes Socialistas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, local de discussão política e fraterna, à esquerda da indiferença, mas sempre no centro da participação.

Site Oficial do NES/FDL

Site Oficial da JS

Site da FDL

Contribuidores

arquivos

Setembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

participar

participe neste blog

blogs SAPO

subscrever feeds