Quarta-feira, 21 de Junho de 2006

O NES não desistirá de lutar




"Quem ainda está vivo nunca diga: nunca.
O que é seguro não é seguro.
As coisas não continuarão a ser como são.
Depois de falarem os dominantes
Falarão os dominados."
(Bertolt Brecht)
Caros camaradas, foi um ano de muita luta e em que o NES/FDL muito fez pela nossa academia e pela JS. Mostramos que é possível existirem núcleos da JS no ensino superior activos e que como disse o nosso secretário-geral têm que trazer a política à faculdade e não devem pôr-se de lado nas lutas académicas, porque a JS como é óbvio tem sempre uma palavra a dizer.
Visto isto, espera-nos mais um ano de muita luta, pela expansão da JS na academia, pelo reforço do NES na mesma e pela democratização da própria associação académica. Por isso não nos vamos abster de lutar e temos que estar unidos, pois depois dos "dominantes", falarão os "dominados".
Saudações Jovem Socialistas!
publicado por NES-FDL às 13:08
link do post | comentar
16 comentários:
De Weber a 24 de Junho de 2006 às 17:51
Caro João,

É sempre um prazer discutir os temas verdadeiramente importantes com alguém; tal como agradeci a resposta do Pedro Silveira, o mesmo faço contigo!

Passando agora à tua resposta, deixa-me dizer que a tua qualidade sofística deixa-me espantado. Ao ler o teu "esclarecimento", consigo retirar pelo menos duas perspectivas totalmente opostas com relação à posição que a JS deve ocupar nas Associações Académicas/Associações de Estudantes e nas Listas formadas para as disputarem:
1) A JS deve apoiar Listas nas Associações representativas dos alunos do Ensino Superior, apoiando-as a todos os níveis (também financeiramente...) e moldado-lhes os conteúdos programáticos (pelo que me foi dado a perceber, esta posição surgiria sempre como reacção a uma posição semelhante de uma Juventude Partidária de direita);
2) A JS deve apoiar os seus militantes que se interessem pelo movimento associativo, prestando-lhes apoio estritamente político e manifestando jubilo pelas vitórias eleitorais destes.
Perante isto, e como não sou pessoa de sofismas, deixo-te a minha primeira questão: qual será então a tua real posição neste assunto?

No entanto, apesar do teu "zig-zag" doutrinal, e como todos nós somos pessoas dotadas de bom senso, permite-me fazer dois ou três apontamentos.

Em primeiro lugar, seja qual for a tua posição, parece-me que no início deste mandato não poderias estar mais satisfeito com os destinos da AAFDL e da Lista R, dado que as 2 principais figuras institucionais da Lista (o Presidente e o Primeiro Candidato ao Conselho Directivo) são militantes da JS. Não sendo isto suficiente, o número de militantes socialistas espalhados por cargos de responsabilidade era grande (tu és um exemplo). O mais interessante nisto é o facto de para que a Lista R atingisse este ponto, nenhuma movimentação partidária foi feita, até porque também havia militantes de outras juventudes em cargos importantes. Perante isto, uma questão se levanta na minha inquieta cabeça: tendo a JS atingido tal grau de excelência na AAFDL e na Lista R, porque razão idealizaste um golpe palaciano com a intenção de derrubar o militante socialista que era Presidente da Lista, através da derrota eleitoral do militante socialista candidato ao cargo de Secretário-Geral? Esta questão, além da pertinência óbvia, leva-nos a um ponto em que deves defender a tua coerência já que as duas pessoas que apoias não são militantes socialistas. Aliás, uma delas tem ligações profundas à direita "mais à direita" de Portugal e a outra é militante da JSD! Espero que não me respondas com o chavão da competência, sob pena de colocares novamente em questão a tua coerência, dado que dois meses antes fizeste forte campanha eleitoral pelos teus camaradas!

A segunda nota é mais virada para o futuro que para o passado. Afirmas ser "urgente que os militantes da JS analisem qual será a lista onde se sentem melhor representados e que tem mais pessoas da sua "ala" e com a mesma ideologia política". Daqui retiro que já existem listas formadas para o próximo acto eleitoral da AAFDL (o qual só vai acontecer dentro de 6 meses...); pergunto-te quais são.
Retiro ainda que o critério que os militantes da JS devem utilizar quando fizerem uma escolha para a AAFDL será o número de socialistas que cada lista integra; pergunto-te se não achas este critério demasiado aparelhista. A mim parece-me que o critério a utilizar será sempre o da competência (aqui sim podemos utilizar este chavão) e o do mérito. Não concordas?

Sem mais de momento, aguardo ansiosamente a tua resposta.

Cumprimentos
De João Gomes a 23 de Junho de 2006 às 18:55
weber,

Em primeiro lugar desculpa pelo erro ortográfico que para além de lamentável é mesmo bastante reprovável.

Quanto ao conteúdo do texto é simples, a estratégia da JS para o ensino superior é simplesmente fazer com que os núcleos do ensino superior levem a discussão política para as faculdades. Mas se ouviste o camarada secretário-geral Pedro Nuno na conferência em que esteve na nossa faculdade, o mesmo foi o primeiro a afirmar que a JS não se pode abster das lutas académicas, lembro-me perfeita-me da frase dele: "entre uma lista de esquerda e outra de direita, quero que ganhe a de esquerda e a JS não tem que se colocar de parte nesse projecto".

A minha visão é a mesma, o associativismo também é política e a política, para o bem e para o mal, gira em torno dos partidos, como tal os mesmos têm que ter uma palavra a dizer sobre o rumo das academias onde têm militantes e têm intervenção política como é o caso da nossa faculdade e da JS.

Quando olho para uma lista e oriento o meu voto olho essencialmente para a competência das pessoas que vou eleger, mas também tenho em atenção a sua ideologia política, porque a mesma vai ditar invariavelmente a sua conduta na AAFDL. É assim, sempre o foi e sempre o será.

Por isso é que defendo que o NES tem que estar unido e tem que investir, como diz o Pedro Silveira, na formação de jovens quadros para o associativismo. Até porque os nossos militantes são pessoas comprovadamente aplicadas e com ideias políticas bem vincadas, como tal têm que ter uma palavra a dizer sobre o rumo da AAFDL. É urgente que os militantes da JS analisem qual será a lista onde se sentem melhor representados e que tem mais pessoas da sua "ala" e com a mesma ideologia política.

Acho que estás esclarecido,

Atenciosamente,

João Gomes
De Weber a 22 de Junho de 2006 às 23:46
Caro Pedro Silveira,

Tenho todo o gosto em te dizer que sou um cliente habitual do blog oficial do NES/FDL. Podendo ou não concordar com a matriz política aqui veiculada, parece-me que a dinamização que vem sendo feita no núcleo é bastante positiva, principalmente num tempo em que os jovens cada vez mais se afastam do fenómeno político.

Apesar disso, e como homem inteligente que certamente serás, deves compreender que o meu comentário ao post do João Gomes não pretendia de forma alguma ''tocar'' no balanço e nas palavras de ordem aos militantes do NES/FDL. Eu apenas me debrucei sobre a frase em que se traçava um rumo político para o Núcleo no que concerne à AAFDL. É isto que não me parece correcto num núcleo polítco, tendo em conta dois principios: (i) a AAFDL é estatutariamente apolítica e (ii) a função delineada pelo Secretariado da Juventude Socialista para os núcleos de escola não é essa!

Trocando por miúdos: critico a utilização de um meio de informação oficial de uma juventude partidária para (mais uma vez) lançar uma candidatura à Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa (todos sabemos a que candidatura me refiro)! O facto de estas palavras de ordem estarem redigidas no Blog Oficial de um Núcleo de Escola não atenua a situação, apenas a agrava!

Por fim, e por muito que goste de te ler, gostava de saber o que tem o autor do post a dizer sobre isto, especialmente quando todos sabemos qual a verdadeira intenção do post.

Apesar disso, será sempre um prazer ler as tuas respostas Pedro Silveira!

Cumprimentos
De PedroSilveira a 22 de Junho de 2006 às 01:30
Caríssimo "Weber"

Antes de mais prezo a tua visita ao blog do NES/FDL. Efectivamente tens razão: o Coordenador do NES/FDL é completamente contra a partidarização da vida associativa. Em vários momentos, publicamente, como foi um exemplo no Encontro Nacional de Estudantes Socialistas, teve oportunidade de o expressar. No entanto se há coisa que ele defende é a liberdade de expressão e de diferentes perspectivas dentro do Núcleo. O João Gomes pode ter uma visão diferente da minha. Não é por isso que a deve deixar de expressar e dar a conhecer aos restantes camaradas.

Ainda assim acredito que aquilo que o meu amigo e camarada João Gomes quis realmente realçar foi sim o espírito de união que o NES tem obrigatoriamente de viver se quiser expandir-se na FDL e na JS. Essa união, na minha visão, não se faz de colagens INSTITUCIONAIS a uma determinada lista à AAFDL. Faz-se construindo um projecto e unindo-nos em redor dele. Um projecto POLÍTICO.

Cada membro do NES será livre de escolher a lista que achar ser a melhor para a FDL. É a minha perspectiva. Se alguém discorda é livre de o afirmar e de o defender, incluindo no veículo oficial de informação que éste blog, porque é para isso é que ele serve.

Julgo, no entanto, não ter sido essa a intenção do João. Tanto ele como eu sabemos a estratégia do actual Secretário Geral da JS para o ensino superior. E ela passa por essa união, não no sentido seguidista desta ou daquela lista mas no sentido dos nucleos de escola estarem organizados e conseguirem levar a política para dentro das faculdades, nomeadamente influenciando através da criação de jovens quadros (não da sua instituição) as decisões da sua Academia.

Devo por fim dizer que estou à tua disposição para qualquer outro esclarecimento.Volta sempre.
De Weber a 21 de Junho de 2006 às 22:05
''democratização da associação académica''.
Nunca pensei que o NES/FDL pretendia ter uma posição pró-activa na vida da AAFDL. Pelo menos enquanto instituição. O próprio Secretário-Geral recusou essa posição no recente ONESES.
Porque vem então o João traçar este caminho num veículo oficial de informação? Nós já sabíamos que esta era a sua posição pessoal mas, reforço (!), sempre o vi o NES/FDL ausente dessa luta!
Enfim... quem me poderá esclarecer?

P.S.: ''abester'' é erro João! ''Abster'' é o termo correcto.
De Ricardo M. a 21 de Junho de 2006 às 17:32
Louvável o empenho dos estudantes socialistas da F. Direito de Lisboa! Manda o rigor e o respeito que os nomes sejam correctamente transcritos. Assim, e porque o dramaturgo «é» alemão e não francês, o seu nome é BRECHT. (Futuros juristas deverão ser mais cuidadosos.)

Comentar post

Sobre nós

Benvindo ao Blog do Núcleo de Estudantes Socialistas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, local de discussão política e fraterna, à esquerda da indiferença, mas sempre no centro da participação.

Site Oficial do NES/FDL

Site Oficial da JS

Site da FDL

Contribuidores

arquivos

Setembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

participar

participe neste blog

blogs SAPO

subscrever feeds