Domingo, 12 de Novembro de 2006

Ainda Mexe

Quando se esperava que o congresso do PS serviria para pouco mais do que uma aclamação desmedida ao seu secretário-geral, recentemente eleito, a dita "ala esquerda" do do partido entrou com afirmações e tomadas de posição que devem orgulhar os valores de esquerda e do debate social.
Num primeiro plano, Helena Roseta. Conhecida apoiante de Manuel Alegre, facto tudo menos recente, reagindo ao discurso de Sócrates, disse que este era marcadamente ideológico, e que teria estado bem. Todavia, a sua intervenção terá sido chave. Citando, "tem que se respeitar a rua", "não voltem a escolher candidatos sem ouvir os militantes". São duas ideias a reter. Primeiro, porque são de uma veracidade assustadora, segundo, porque pode estar aqui o principal problema do governo em funções: a surdez. Não se ouviu o Primeiro-Ministro a reagir à greve, quem falou foram outros, nomeadamente, o ministro das finanças, Teixeira dos Santos. De um governo socialista quer-se socialismo, querem-se políticas viradas para a sociedade, políticas de igualdade e de uma igual distribuição da riqueza. Não é que o executivo não o queria fazer, questão é que dos nossos queremos sempre mais e melhor, e afirmações como as da arquitecta mostraram que no PS ainda se fala à esquerda, pena não ser quem deveria fazê-lo mais frequentemente.
Noutro plano, mas no mesmo cumprimento de onda, Manuel Alegre. A postura é conhecida, ao deputado, ninguém o cala. Disse que não foi fazer, nem um discurso de auto-satisfacção, nem quis aceitar o lugar que lhe propuseram. Como cadaum é como cada qual e faz o que bem entender, o poeta só peca num aspecto: não se renova. Todo ele é contestação, sem nada em troca, todo ele é contra o governo, contra quem está à frente do partido, lançou-se, inclusivamente numa batalha eleitoral que puderá ter custado a presidência da república ao seu partido, no entanto, foi o PS que lhe deu uma carreira e uma notoriedade de que disfruta hodiernamente. Naturalmente, Alegre pode ser activo valioso, só que não o é, porque ninguém leva a sério o contra por ser contra.
O congresso segue, mas o meu objectivo era mostrar que, apesar da vitória esmagadora do seu secretário-geral, o PS ainda respira alguma ideologia de esquerda, ainda se pauta por valores que me levaram a votar nele. Não que duvidasse disso, só que há alturas em que a certeza podia ser maior.
publicado por NES-FDL às 12:17
link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Sobre nós

Benvindo ao Blog do Núcleo de Estudantes Socialistas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, local de discussão política e fraterna, à esquerda da indiferença, mas sempre no centro da participação.

Site Oficial do NES/FDL

Site Oficial da JS

Site da FDL

Contribuidores

arquivos

Setembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

participar

participe neste blog

blogs SAPO

subscrever feeds