Segunda-feira, 16 de Julho de 2007

Sentenças



Encarando de frente a possibilidade de tornar o tema repetitivo, destaco o facto de, das eleições para a Câmara Municipal de Lisboa, ser possível retirar algumas conclusões.

A primeira é que o PS é o grande vencedor destas eleições. Ao contrário do que disseram algumas pessoas (tal como Ruben de Carvalho), o facto de António Costa não ter conseguido maioria absoluta não é uma derrota. Quando se vence não se pode ser derrotado.

O PS está neste momento a governar o país com maioria absoluta na Assembleia da República e detém finalmente a presidência da Câmara da capital.
Já em Fevereiro havia vencido a luta pelo referendo da IVG.
É verdade que não venceu as presidenciais e a aposta em Mário Soares foi um erro gritante. Contudo, seria difícil derrotar Cavaco Silva. O seu silêncio estúpido e a Comunicação Social levaram-no até Belém.
Mesmo assim, o PS está num grande momento, claramente fruto do enorme secretário-geral de que dispõe.

Do lado oposto encontra-se o PSD. Já se sabia que Marques Mendes era pequeno e não apenas em estatura. Enquanto líder do maior partido da oposição, deixou o PS vencer as legislativas com maioria absoluta, pela primeira vez na sua história, e perdeu as eleições intercalares em Lisboa com um resultado vergonhoso. Mérito do PS e fraca oposição, é certo.

O PSD desceu de 42,43% com Carmona Rodrigues para 15,74% com Fernando Negrão.
É verdade que os votos ao centro-direita se dividiram por esses dois candidatos, mas a divisão não explica uma descida tão acentuada.
Fernando Negrão foi um mau candidato e a campanha foi, como já pude referir num texto anterior, muito mal pensada.

O aparecimento de candidaturas independentes é de saudar. Depois de nas presidenciais Manuel Alegre ter obtido um excelente resultado, Carmona Rodrigues e Helena Roseta conseguem, para as intercalares da CML, resultados muito positivos. A Democracia fica a ganhar, a população agradece e a cidadania ganha outro significado.

A esquerda acaba por sair vencedora destas eleições. Fechando os olhos às candidaturas independentes, os partidos da esquerda conseguem um total de quase 48% enquanto os partidos da direita somam quase 22% dos votos dos eleitores.

Vozes com mau perder comparam os 29,54% de António Costa com os 26,56% de Manuel Maria Carrilho em 2005. O PS não subiu assim tanto, dizem.
Esquecem-se, todavia, de uma diferença importante: Carrilho não venceu as eleições.
Importante é destacar que em 2005 havia 8 possibilidades de voto, contrastando com as 12 candidaturas de 2007. Resultado: maior dispersão de voto.
Em 2005 votaram 52,65% dos eleitores inscritos, contra apenas 37,39% em 2007. E para que candidato iriam os votos desses mais 15% de eleitores? Bem, se António Costa foi o candidato mais votado, não é difícil adivinhar.
Trata-se de pura estatística.
publicado por Fábio Raposo às 22:45
link do post
De Anónimo a 18 de Julho de 2007 às 00:35
Ao ler estes posts e os comentarios vejo que a democracia e as juventudes partidarias estao bem entregues. Quanto a estes ultimos dois comentários resta me dizer que o PSD fez uma canpanha de ofensa, de represália e nao se preocupou minimamente em fazer uma canpanha democrática. O PS fez uma canoanha boa calma, sem sobressaltos e acima de tudo sempre ciente do que o esperava nas eleições e após as eleições. Já o psd esteve mal em todos os aspectos, em contrariar carmona, em escolher Negrão cuje a ficha está ,mais do que suja com o caso PJ, e acima de tudo em nao ter precavido as situações pós eleitorais. Quanto as perdas antigas do PS, sim são perdas relevantes mas a opiniao do POVO é que manda e essa continua a dar maioria ABSOLUTA ao governo socialista, esse mesmo POVO por regra já se habituou a ver PSD/CDS a obterem maiorias absolutas em conunto demonstrando um apegar ao poder que so demonstra a ganancia dos que lideram a oposição. O PS se assim fosse unia se aos esquerdistas e precisa? NAO porque o POVO CONFIA, por muitos impostos(necessarios) que se aumentem por muito que isso aconteça o POVO na altura de eleger elege quem nao tem segundas intenções nas suas atitudes enquanto GOVERNO. Se o PS so pensasse em governar a força toda nao aumentava NADA e fazia o que a oposição tanto apregoa que é dar "pão e circo" ao POVO mas isso nao é governar mas sim DESgovernar. Essas atitudes so demonstram o quanto o PS quer portugal melhor e nao se importa de perder eleições se esse for o preço a pagar pela melhoria de portugal.
Quanto a Lisboa dao que pensar as fracturas partidárias de ambos os lados e nao a abstenção. A abstenção é relevante mas mais relevante é o enorme numero de independentes que de dia para dia apareçem a concorrer as autarquicas. Quanto a governação de lisboa é certo que sem maioria nao da para se melhorar Lisboa e para isso será necessário estabelecer uniões periodicas com outras fações e até de um modo rotativo. Ou seja as parcerias vao ter de ser necessariamente com todos dependendo das situações de modo a governar se Lisboa com um unico sentido O MELHORAR DE LISBOA E UNIR LISBOA.


Abraço a todos ass: Vitor Simão
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Sobre nós

Benvindo ao Blog do Núcleo de Estudantes Socialistas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, local de discussão política e fraterna, à esquerda da indiferença, mas sempre no centro da participação.

Site Oficial do NES/FDL

Site Oficial da JS

Site da FDL

Contribuidores

arquivos

Setembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

participar

participe neste blog

blogs SAPO

subscrever feeds